Literatura Gospel



X

Tempo de Relacionamentos

Coisas que Rapazes e Moças Precisam Saber

"TUDO TEM O SEU TEMPO DETERMINADO, E HÁ TEMPO PARA TODO O PROPÓSITO DEBAIXO DO CÉU." Eclesiastes 3.1

Você sabia que a adolescência tem sido considerada o período mais difícil e importante da vida? Isso porque você não é criança nem adulto, e todos parecem saber mais do que você o que precisa e o que deseja. E um tempo de definições sobre você mesmo; tempo de independência — ou pelo menos a busca disso.

Adolescência é um tempo de mudanças em que ocorrem o amadurecimento do sistema reprodutivo — a puberdade —, além do crescimento físico acelerado e desproporcional. Soma-se a isso a capacidade de pensar abstratamente.

É um período de exageros, quando se ama e se odeia demais. Enfim, é um tempo de relacionamentos — com a família, com os amigos, com o mundo... Quero conversar com você sobre esses relacionamentos. E vamos começar por aqueles que mais mexem com o coração nessa fase.

Mas... uma pergunta: Você sabe o que é puberdade?

Puber... O quê?

Amadurecer é um dos processos mais importantes da vida. E a adolescência é uma fase de transição em que as principais mudanças acontecem. Entra em cena a PUBERDADE! O que é isso? É o nome dado às mudanças físicas que resultam em maturidade reprodutiva.

Ela começa, geralmente, aos doze anos, ativada por uma parte do cérebro chamada hipotálamo. Não se assuste! Só estou citando essas palavras difíceis para fazer uma rápida explicação. No início desse pro¬cesso, o hipotálamo, seguindo instruções de genes ultramicroscópicos, dá sinal para a glândula pituitária secretar hormônios...

Entram em cena, então, outras glândulas, como a tireoide, a supra-renal e as gônadas, que produzem mais hormônios... Em resumo, toda essa parafernália hormonal estimulará o crescimento do corpo e o desenvolvimento de características de adulto.

Com o início desse amadurecimento, você estará apto para a reprodução. As meninas atingem esse estágio de desenvolvimento um ou dois anos antes dos garotos. E essa maturidade é acompanhada dos impulsos sexuais, que moralmente não podem ser satisfeitos. Por quê? Calma...

A puberdade é marcada, para as moças, pelo início da menstruação, que em geral é irregular por uns dois anos. Os seios crescem, surgem pelos no corpo, e os quadris se alargam.

No caso dos meninos, há outros sinais: instabilidade ou falha da voz — em razão do aumento das cordas vocais — crescimento de pelos pubianos, início da ejaculação, bem como aumento dos testículos e alongamento do pênis. Este também pode ficar ereto nos momentos mais inoportunos, gerando constrangimentos.

Sem amadurecimento pleno não é possível assumir um relacionamento sério, como o namoro. E relacionar-se com alguém sem compromisso, apenas para satisfação dos instintos, é uma atitude perigosa, que trará conseqüências desagradáveis.

O tempo das "cantadas" chegou

As "cantadas" fazem parte da adolescência, e você estará se de¬parando com elas no dia-a-dia. Muitas são engraçadas e sem nenhuma criatividade. Quem sabe você já tenha ouvido algumas, como: "Que gata! Só falta miar"; "Você é modelo?"; "O seu cachorrinho tem telefone?"; "Você caiu do céu e não se machucou?", e outras...

Elas podem vir de alguém com boas intenções, que pensa em namoro de verdade e em construir uma família. Mas há pessoas aproveitadoras cujo objetivo é apenas "tirar uma casquinha" de você.

A Bíblia adverte: "Filho, se homens perversos quiserem tentar você, não deixe" (Pv 1 .10, Bíblia na Linguagem de Hoje).

Tenha cuidado para não se envolver com a primeira pessoa que aparece. Aprenda a desenvolver um senso de defesa, a fim de detectar as pessoas que se aproximam com intenções impuras. Se você é uma moça, saiba lidar com as "cantadas" — embora os rapazes também as recebam —, que costumam ser freqüentes nessa fase da vida.

Quem não gosta de uma boa conversa? Isso é normal. Contudo, há pessoas que, às vezes, valem-se de um "bom papo" para nos induzir ao mal. Lembra-se do que aconteceu com Eva, no jardim do Éden? Ela recebeu uma "cantada" e foi enganada pelo Diabo que, personificado em uma serpente, a induziu ao erro (2 Co 11.3: Gn 3.1-6).

Você está no mundo, mas não faz parte dele. O apóstolo Paulo disse: "... não vos conformeis com este mundo..." (Rm 12.2) É necessário que você tenha muito cuidado para não ser influenciado pelos costumes e procedimentos seculares, que nada têm que ver com os padrões apresentados na Palavra de Deus (1 To 2.15-17).

As aparências nem sempre enganam

As "cantadas" geralmente são precedidas de expressões corporais. Por exemplo, quando alguém quer chamar atenção ou tem o interesse de se aproximar, estufa o peito, gesticula exageradamente, balança o corpo, ri muito (e alto), deixa objetos de valor à mostra, ajeita os cabelos, etc. Atente para os sinais. Se perceber que se trata de alguém querendo apenas se aproveitar, evite a aproximação.

Caso alguém com quem você tenha algum contato — o que é normal, principalmente na escola — se aproxime, observe os sinais de mentira, pois o mentiroso, por melhor que seja, tende a apresentar algumas atitudes que o denunciam. Sabia disso?

O mentiroso desvia os olhos quando perguntado sobre assuntos delicados; pisca com freqüência quando a conversa declina para um assunto comprometedor; inclina-se para trás; responde "Não" e balança a cabeça afirmativamente, mesmo que de leve; pede que o interlocutor repita a pergunta, com intuito de ganhar mais tempo na elaboração de uma resposta. E assim por diante.

Talvez você pense: "Ele é crente e frequenta os cultos. Creio que é uma pessoa bem-intencionada". Cuidado! Nem tudo que reluz é ouro! Veja o que a Bíblia diz: "Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal! Que fazem da escuridade luz, e da luz, escuridade, e fazem do amargo doce, e do doce, amargo!" (Is 5-20)

Não basta alguém parecer ou dizer que é cristão. É preciso demonstrar isso (Mt 7.20).|p que o apóstolo Paulo disse em 1 Coríntios 5.11? "... não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idolatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais."

O que é "ficar"?

"Ficar" tem várias definições. Para alguns, é aquela amizade que esquentou de vez e já está quase virando um namoro. Ocorre quando duas pessoas começam a fazer certas coisas que amigos não fazem, como trocar pequenos "selinhos" — beijos leves na boca.

Embora todos, na adolescência, estejam ansiosos por viverem grandes aventuras, há jovens um pouco mais cuidadosos. Preferem adotar um quase namoro — aquele "ficar" mais duradouro para fazer experiências visando um compromisso sério. "Fica-se" primeiro, para depois assumir um namoro, caso haja afinidade mútua.

Para outros, o "ficar" é um tipo de relacionamento moderninho chamado "namoro de férias" ou "amor de verão". Vivem momentos de procuras e descobertas e, provavelmente, viajam com o desejo de viver uma aventura amorosa — algo diferente do convencional — ou simplesmente de encontrar um companheiro.
"Não há razão para preocupações. Para que esquentar a cabeça? O que vale, nesse momento, é o prazer pelo prazer", dizem os psicólogos que não conhecem a Palavra de Deus. E talvez você pergunte: "Por que ter responsabilidade, se, para mim, o que vale é o prazer sem medo e sem amor, como diz uma canção de um grupo conhecido?"

Os serial kissers estão à solta

O "ficar" é focado exclusivamente no prazer sem responsabilidade — aquele em que o rapaz "pega" várias meninas na mesma noite. Criou-se uma cultura em que a maioria dos adolescentes vê os relacionamentos como pura diversão.

Nos Estados Unidos há muitos serial killers, famosos assassinos em série — psicopatas que matam por matar, e o máximo «de pessoas possível. Mas entre os jovens existem os serial kissers, cuja diversão é beijar em série e "ficar" com o maior número de pessoas numa mesma noite. O que você acha disso?
Para os jovens que não temem a Deus, ser um serial kisser é motivo de orgulho. Mas esteja certo de uma coisa: o hábito de "ficar" é pecaminoso e surgiu entre as pessoas mundanas. Lembra-se do que a Bíblia diz em 1 João 2.15? "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há..."

Se você já se perguntou se "ficar" é certo ou errado. Mas continua "ficando", infelizmente está pecando duas vezes: primeiro porque o "ficar", em si, já é pecaminoso, por ser um relacionamento íntimo e sem compromisso. Ademais, fazer algo sem convicção da aprovação de Deus é outro pecado (Rm 14.23).

Você "fica" com uma pessoa após a outra? Chegou a trocar beijos com várias em uma mesma festa? Vive correndo de compromissos.' Está na hora de repensar essas atitudes. Quem só pensa em "ficar" está com medo de amadurecer. E isso é muito necessário para que você vença na vida.

Há psicólogos dizendo que "ficar" não tem nada demais, desde que não haja exageros. Dizem que é "ficando" que o adolescente desenvolve a afetividade, conhece melhor seu corpo e suas reações. E mais: com a experiência adquirida, pode estar preparado para um relacionamento duradouro.

Não acredite nisso! Relacionar-se com alguém quando se está em fase de amadurecimento, principalmente na condição de "ficante", nunca é um bom negócio.

Ah, você quer namorar?

Você está vivendo um momento muito especial e, ao mesmo tempo, perigoso, em que a vontade de estar ao lado de alguém do sexo oposto é quase insuportável, não é mesmo? O perigo é o seguinte: na adolescência, tudo passa pela cabeça, menos os compromissos sérios. Sei o quanto é divertido viver apenas para o prazer, mas o que adianta ter alguns momentos de prazer e, depois, uma vida inteira de problemas?

É preciso levar a sério o relacionamento com alguém. Estar ao lado de uma pessoa apenas para preencher um vazio não é nada bom. Por outro lado, querer namorar sério quando ainda não se está preparado para isso é fazer a coisa errada na hora errada.

Não quero deixá-lo confuso. Por isso, vamos avançar em nossa conversa, pouco a pouco. O namoro — namoro de verdade — só faz sentido quando se tem em mente um compromisso bem mais sério: o casamento. E entendo como é difícil para um adolescente pensar em namoro sério.

Sem dúvidas, nessa idade, o "ficar" é muito mais interessante. E os sexólogos de plantão estão por aí dizendo que "ficar" é a melhor coisa. Dizem: "Desde que haja prevenção contra doenças sexual¬mente transmissíveis, você pode fazer tudo o que seu coração mandar". Mas tenha cuidado com o seu coração!

Nem sempre o coração acerta

Não entendeu? É isso mesmo: tenha cuidado com o seu coração! Qualquer psicólogo que escreve para revistas ou sites voltados aos jovens e adolescentes diria: "Confie em seus sentimentos e intuição".

Saiba que isso é perigoso — perigosíssimo!

A Palavra de Deus diz: "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" (Jr 17.9) Você pode olhar para alguém e se apaixonar à primeira vista. Isso é um risco. Mas não significa que essa pessoa seja a que o fará feliz. Os seus valores estão acima de qualquer sentimento.

Não use o seu corpo para o prazer irresponsável e inconsequente, pois isso é pecado. Deus quer que você tenha prazer, mas na hora certa e com a pessoa certa. Nada de "curtir a vida adoidado". O salvo em Cristo tem domínio próprio (Gl 5.22) e vence as tentações, fugindo dos desejos pecaminosos que surgem na adolescência (2 Tm 2.22).

A Bíblia diz que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo (1 Co 6.19,20). Sabia disso? Então cuide bem dele. Reserve-o para a pessoa que merecerá o seu amor — alguém que poderá partilhar com você alegrias e dificuldades; alguém que poderá criar filhos com você e construir um lar de muita felicidade.

Se estiver disposto mesmo a namorar e convencido de que já possui a maturidade necessária para isso, vá em frente. Mas não se esqueça de que Jesus deve ter prioridade em sua vida. Se for para abandonar a sua fé por causa de alguém, você está em uma canoa furada! Nada pode ser mais importante do que a alegria de servir a Cristo e ter a certeza da vida eterna (Lc 10.19,20).

Ao procurar alguém para namorar, leve em conta uma condição básica apontada (na Bíblia: "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?" (2 Co 6.l4) Você já percebeu a grande incompatibilidade de idéias e comportamentos que pode haver entre um crente e um incrédulo?

Imagine ter de conviver com um incrédulo pelo resto da vida! Não é esquisito você estar no culto, e a sua namorada numa disco¬teca? Ou você participar da escola dominical, e o seu noivo ficar fumando no pátio do templo?

Procure alguém que pertença à igreja e tenha, acima de tudo, um bom testemunho cristão — alguém que pense como você e possua a mesma preocupação com a vida espiritual. Leia em sua Bíblia Amós 3.3 e 1 João 3-10.

Você está apaixonado?

Eu sei que a vontade de namorar, nessa fase, é muito grande. De repente você nota que algo estranho está acontecendo. Sente que parte de seu coração não é mais seu, não é mesmo? Você começa a pensar demais em alguém e percebe que está sofrendo do mal — mal? — que a maior parte dos seres humanos sofre, a paixão!

Quem já ficou apaixonado sabe: o mundo muda, as percepções a respeito da pessoa amada são exageradas — sempre para o bem, é claro — e algumas alterações físicas são facilmente percebidas, tudo por conta da paixão.

É comum o apaixonado ficar instável, mal-humorado, ansioso. agressivo e sem apetite. Ele costuma esquecer-se de tudo e perder o sono. Concentrar-se nas coisas que não têm relação com o ser amado e desejado é quase impossível.

A resposta para essas mudanças involuntárias está no funciona¬mento do próprio organismo. Sem que se tome consciência disso, quem está apaixonado libera neurotransmissores — a maior parte deles estimulantes — para o corpo todo. Essas substâncias causam aquelas sensações tão características, como batimentos cardíacos acelerados, mãos suadas, pernas bambas, além dos famosos apertos no peito e um certo nó na garganta.

Uma dessas substâncias, a dopamina, é liberada principalmente quando você se encontra com a pessoa amada. Daí aquela euforia, o sentimento de estar nas nuvens e a famosa ansiedade. Algumas pessoas mais sensíveis podem até ter febre, falta de apetite e insônia quando distante do ser querido.

Você deve estar se perguntando: "A paixão é uma doença?" Claro que não! Mas tenha cuidado. A pessoa apaixonada pode fazer coisas momentâneas, como prometer o que não cumprirá. É sempre bom esperar passar os primeiros meses, aqueles em que o "fogo da paixão" está bem alto, para ter uma definição melhor acerca da pessoa amada.

Quer saber de uma coisa? A paixão sempre acaba! Por isso, para construir um relacionamento sólido, é preciso amar de verdade (1 Co 13-4-6). Um namoro cujo elemento principal é a paixão dura pouco. "Amor e paixão não são a mesma coisa?" Não.

Embora a paixão quase sempre surja primeiro como uma necessidade da natureza humana — ela se dá por meio de algum tipo de vínculo afetivo: uma atração física ou visual, uma admiração, etc. — o amor é superior, pois valoriza o ser humano como pessoa.

Caso você esteja dominado por uma paixão a ponto de perder o sono, ore a Deus para que lhe dê a mesma tranqüilidade do salmista Davi: "Quando me deito, durmo em paz..." (Sl 4.8, Bíblia na Linguagem de Hoje)

Gostou deste capítulo? Espero que sim. No próximo, as coisas vão esquentar um pouquinho, e abordarei mais diretamente o namoro. Não podemos deixar passar essa oportunidade de conversarmos sobre isso. Você deve estar com uma dúvida... Se o namoro é para pessoas maduras, e o "ficar" é perigoso, o que fazer? Vire a página.


Por: Ciro Sanches Zibordi - Adolescentes S/A - CPAD