Literatura Gospel



X

O relacionamento de namoro e noivado

Quais os princípios de Deus para o namoro cristão?

Que sociedade? Que harmonia... ? Que união...?

Certo dia, veio conversar comigo, uma moça que já havia participado de um dos conjuntos de Vencedores por Cristo. Fez o treinamento intensivo e sabia os princípios de Deus para o namoro cristão. Descobri que estava namorando um rapaz não crente, e perguntei-lhe: "Cristina, o que você está fazendo? Já esqueceu o que estudamos sobre o plano de Deus para esta área de sua vida?" Ela ficou quieta e pensativa, respondendo depois: "Sabe, Jaime, é verdade que ele não é crente, mas é um cara muito legal; é mais cavalheiro que a maioria dos rapazes que conheço; me leva à igreja e creio que está aberto. Vou testemunhar para ele e ganhá-lo para Cristo".

"Cuidado com esse tipo de justificativa", eu disse, "você tem certeza que isso não é a voz do diabo cochichando ao seu ouvido?" Ela saiu de meu escritório tentando me convencer de que aquele relacionamento não ia prejudicá-la, e meses depois casou-se. Fiquei pensando, "será que ele entregou sua vida a Jesus?" Depois de um ano e nove meses, Cristina me telefona chorando e dizendo: "Jaime estou desesperada, preciso urgentemente falar com você". Marcamos um encontro no escritório e quando a vi, fiquei assustado. Seu semblante mudara para uma aparência triste, frustrada. Uma das primeiras coisas que disse foi: "Eu não o conhecia. Antes de casarmos ele era gentil, atencioso, carinhoso, ia à igreja. Agora ele mudou completamente, não quer saber mais da igreja, até parece que o amor e carinho que sentíamos um pelo outro acabou". A conversa acabou com ela dizendo: "Jaime, já iniciamos o processo de divórcio". Hoje ela está divorciada e tem uma filhinha. Não sei o que vai acontecer com Cristina, mas sei que não teria passado por essa dor, se tivesse obedecido aos princípios da Palavra de Deus.

Deus não pode abençoar um relacionamento iniciado com desobediência. Às vezes me dizem: "Meu pai não era crente quando se casou, mas agora é líder em nossa igreja". Como responder a esse raciocínio? Pela graça e misericórdia de Deus seu pai é crente! Louve a Deus por isso, mas não adote essa linha de pensamento porque para cada caso assim, eu posso contar nove casos de casamentos mistos onde há tristeza, brigas, desarmonia e divórcio.

Em II Coríntios 6:14-18, Paulo dá uma instrução muito importante sobre esse relacionamento tão íntimo. Leia o texto lembrando-se que a cidade de Corinto era tremendamente pecaminosa, comparável a São Francisco na Califórnia ou ao Rio de Janeiro aqui no Brasil. Faziam parte da adoração no templo pagão 1000 prostitutas. Foi lá que Paulo pregou o evangelho transformador - "Não vos ponhais em jugo desigual".

Em 1967, meu primeiro ano no Brasil, viajamos no inte- rior de Minas, onde vi um carro de boi. Impressionei-me com o jugo, ou canga, sobre o pescoço dos bois. Fui criado na roça e já sabia que não é possível colocar um boi e um cavalo juntos na mesma canga para puxar o carro, porque a natureza deles é diferente. Um sairia correndo para um la- do, e o outro, devagar para outro. Paulo usa a canga como ilustração para descrever o relacionamento íntimo entre as pessoas. Não ponha seu pescoço para trabalhar, andar junto, criar filhos, servir ao Senhor, na mesma canga com uma pessoa que não tem Jesus como Senhor. Paulo fez cinco comparações para enfatizar que um casamento misto não dá certo. Primeiramente, "não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos".

Em segundo lugar ele pergunta, "será que existe sociedade entre a justiça e a iniquidade?", isto é, não há possibilidade de trabalharem juntos. Em terceiro lugar, "Que comunhão há entre a luz com as trevas?". Somos filhos da luz. Não há possibilidade de termos comunhão com os filhos das trevas. O comportamento e filosofia e os valores são diferentes. Um rapaz pode-me dizer: "Jaime, você está dizendo que minha garota de olhos azuis, bonita toda vida, é filha das trevas?". Não sou eu quem diz isso, mas é Deus! Se ela não foi lavada pelo sangue de Cristo, não faz parte da família de Deus, portanto, não há nenhuma possibilidade de um relacionamento mais íntimo com ela.

Em quarto lugar, Paulo pergunta, "ou que união pode haver do crente com o incrédulo?" Fomos comprados por um preço alto, não pode existir unidade entre o santuário de Deus e os ídolos.

Em quinto lugar, "que harmonia pode haver entre Cristo e o Maligno?". Aqui Paulo não fala apenas de um descrente, mas de alguém totalmente nas mãos do diabo. Muitos jovens não querem casar-se por não conhecerem casamentos harmoniosos, famílias felizes. É pena, pois o casamento é a primeira instituição de Deus. Portanto, dentro dos planos e princípios de Deus, tem que ser o relaciona- mento mais bonito. Jovens noivos, Deus quer andar e habitar entre vocês, participando de suas atividades.

Não há dúvida alguma de que devemos ser luz e sal na sociedade em que vivemos, iluminando e preservando o que resta de sociedade decaída. Isso requer nossa amizade e presença entre pessoas na sociedade, mas Paulo está se referindo a intimidades como namoro, noivado e casamento. Posso dizer, sem medo de errar, que 75% de todos os problemas que encontro em meu aconselhamento de casais, tem sua origem na época de namoro e noivado.

Jovem, Deus tem um plano maravilhoso para você! Deus está mais interessado com quem você vai casar-se, do que você mesmo. Espere nEle e Ele tudo fará. "Agrada-te do Senhor e Ele satisfará os desejos do seu coração". Deus me deu esse versículo quando eu estava inquieto e inseguro com relação a esta área da minha vida. Deus não falha. Verifique se seus desejos estão dentro do padrão de Deus e espere. Deus sabia exatamente que tipo de esposa eu precisava e me deu uma linda loira. Ele será fiel com você também. Basta confiar e esperar. Com isso, fica bem claro em nossa mente a importância da escolha certa.

Colocar-se em jugo desigual resulta em casamento incompleto, porque o aspecto prioritário, que é a unidade espiritual, está perdido. Uma vez tomada essa decisão, a segunda será: "Vou basear nosso namoro e noivado nos princípios de Deus". "Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus (I Coríntios 10:31).

"Namoro a três!"

Certa vez, num dos meus seminários, perguntei aos rapazes: "Quando foi a última vez que você orou com sua garota?". Depois, um deles me disse: "Jaime, oração no namoro? Não tem cabimento!".

Se não há ambiente para a oração, alguma coisa está errada no seu relacionamento, porque a oração deve ser a prática mais espontânea na vida cristã, dentro ou fora do namoro. Nossa tendência é catalogar coisas que achamos que são espirituais e as que achamos serem do dia-a-dia. Por exemplo, muitos acham que lecionar na Escola Dominical é atividade espiritual, mas não pensam que conversar com o namorado, ou comer pizza juntos seja atividade espiritual.

Paulo acaba com essa ideia em I Coríntios 10:31. Deus quer participar de todas as atividades de nossa vida.

Uma moça disse-me uma vez que não lia a Bíblia ou orava com seu namorado por ser ele tímido. Posso entender essa timidez se ele for crente novo, ou se o namoro está no início. Entretanto, se depois de seis meses ou um ano, ele não pode ou não quer orar e ler a Bíblia com ela, esse relacionamento deve ser seriamente avaliado. Se não desenvolverem esse alicerce, o seu casamento não resistirá às tempestades e crises que a vida conjugal trará. Sem os princípios de Deus bem definidos, é impossível tomar decisões corretas no namoro, noivado ou casamento.

Quando jovem, também fui tentado a não me preocupar com o desenvolvimento de uma base espiritual firme. Nunca vou esquecer da primeira vez em que eu e minha namorada, que agora é a minha esposa, saímos. Meu coração batia tão descompassadamente que pensei que ia pular para fora porque eu estava "gamado" por ela. Tinha resolvido no meu coração desenvolver um namoro com a Judith, dentro dos padrões de Deus. Quando entramos no meu chevrolet novo, queria orar com ela antes de sair, mas tive medo de que ela fosse pensar que eu era um fanático religioso. Por alguns segundos lutei comigo mesmo e, na última hora, eu disse: "Você não gostaria de orar comigo agora?". Ela olhou para mim com um sorriso bonito e disse: "sim, quero". Foi preciso muita coragem para fazer aquilo mas, dou graças a Deus, porque hoje, depois de 19 anos, é fácil orar com minha esposa. Lembro-me ainda daquela oração: "Querido Pai, queremos convidar-te para participar conosco de nossas atividades. Queremos que Tu sejas o centro do nosso namoro. Que nossos pensamentos, palavras e ações sejam dirigidas por ti. Queremos te agradar com o nosso relacionamento. Abençoa-nos Senhor, em nome de Jesus, Amém".

Os momentos de oração, de compartilhamento da ação de Deus em nossas vidas, e a leitura da Bíblia juntos, foram usados para nos dar forças nas horas de tentações que dois jovens tem, especialmente no controle dos impulsos sexuais e no relacionamento físico no namoro. Não estou dizendo que foi tudo perfeito. Houve dificuldades, tentações, e, às vezes desentendimentos, mas, a diferença era que tínhamos Jesus como a pessoa mais importante no nosso relacionamento, e a Palavra de Deus como guia de nossas decisões e atitudes.

Se vocês não oram juntos no período de namoro e noivado, se não procuram ler e obedecer a Palavra, se não há conversas francas e abertas sobre dificuldades, não pensem que, de repente, no primeiro dia do casamento será automático orar, colocar a Bíblia como prioridade e organizar a vida conforme os princípios de Deus. Isso simplesmente não acontecerá. O período de namoro e noivado é importante para construir o alicerce para um casamento feliz. Quero dar algumas sugestões que podem ajudá-los nesse sentido:

1) Desde o início do relacionamento planejem atividades em grupo. Isto é, evitem longos períodos a sós, colocando-se em situações onde seus impulsos seriam estimulados demais.

2) Estabeleçam regras de conduta coerentes com princípios bíblicos. Por exemplo, sejam francos quanto ao relacionamento físico. Às vezes, as carícias estão sendo excessivas e há defraudação.

3) Coloquem a Bíblia como regra de fé e prática. Isto quer dizer que vocês vão estudá-la juntos e procurar aplicações práticas.

4) Desenvolvam um espírito de louvor e oração. Serão momentos entregando uma certa atividade a Deus, ou depois de uma conversa sobre um problema, ou louvor por uma vitória.

5) Procurem ter comunicação aberta. Um dos maiores problemas no casamento é a falta de comunicação, ou a comunicação não aceitável, como por exemplo, gritarias, brigas, etc. Aprendam logo de início a manter uma linha de comunicação aberta entre vocês e o Senhor. Desenvolvam um espírito de perdão. Uma noiva, com muito orgulho, disse-me há algum tempo atrás: "Jaime, quero que você saiba que em nosso namoro e noivado, nunca brigamos, nem discutimos". Olhei com desconfiança e disse: "não tenho certeza, mas acho que seu relacionamento está precisando de mais objetividade e honestidade. Todo relacionamento tem que passar por provações. Mas, o amor verdadeiro, usará a tribulação para que o relacionamento se torne mais profundo e comunicativo".

6) Procure ler bons livros. Sugiro os seguintes: "Uma bênção chamada sexo", de Robson Cavalcanti; "Casei-me com você" e "Amor, sentimento a ser aprendido", de Walter Trobisch; "A Família do Cristão", de Larry Christenson. Podem ser lidos e discutidos, mas cuidado com conversas íntimas sobre sexo, que poderão levá-los a se despertarem sexualmente.

Tenho certeza de que você deseja um casamento feliz, vivido dentro do padrão de Deus. Para que isso aconteça, você tem que construir sua casa na rocha, que é Cristo e a Palavra de Deus. Decida basear seu noivado nos princípios de Deus e que Deus o abençoe nessa decisão.

"Sexo... Por que esperar até o casamento"

Vamos conversar agora sobre o relacionamento físico. Como controlar as carícias? Quem deve controlar o relacionamento físico? É possível ter contato físico e ainda ficar dentro da vontade de Deus? Quais são os limites que Deus impõe? Será que a Bíblia tem respostas para perguntas como essas? Deus está interessado neste assunto?

Digo com toda convicção que há respostas bíblicas para essas perguntas e que Deus está interessado no relacionamento dos jovens cristãos. Em I Tessalonicenses 4, Paulo trata do nosso relacionamento físico. Veja a passagem, versos 1-8. Como é que devemos viver e agradar a Deus? Conforme o verso 3, a vontade de Deus é a nossa santificação. Isto quer dizer, pureza moral. É a separação dos padrões imorais da sociedade e a aceitação do padrão de Deus. Paulo está dizendo que Deus quer que dediquemos nossa vida a Ele e que nos abstenhamos da prostituição. Paulo não está falando só da comercialização do sexo pelas mulheres na rua, mas, da imoralidade sexual, seja em palavra ou ação.

Em pesquisa realizada entre os jovens evangélicos do Brasil, descobri que uma grande porcentagem deles, até 21 anos de idade, tiveram relação sexual com suas namoradas. Paulo está dizendo que Deus quer que vivamos nossa vida com pureza moral. No verso 4, ele explica que "cada um de vós saiba possuir seu próprio corpo" (a tradução antiga diz "o seu vaso", mas na língua original podemos deduzir que significa corpo).

Alguns acham que a palavra "corpo" se refere à esposa. Se significa o seu próprio corpo ou o de sua esposa, é importante verificar que o jovem deve guardar puro o seu corpo até o casamento, quando ele poderá desfrutar dos prazeres do ato conjugal. Paulo está demandando pureza moral não somente para a mulher, mas também para o homem. Na sociedade brasileira não é somente aceitável, mas está totalmente dentro dos padrões, que o jovem tenha uma série de experiências sexuais antes do casamento. Muitos pais estimulam seus filhos a manterem relações sexuais para "provar que são homens". Mas, no texto, não há padrões duplos.

Quando o homem vem para o leito matrimonial, deve poder dizer para sua esposa, como ela para ele, "querida(o), esperei por você e agora dou todo o meu amor exclusivamente para você". Muitos jovens não podem fazer isso. Quando há intimidade sexual no período de namoro e noivado, a culpa formada pode ter efeitos negativos no casamento e ser fonte de irritações e brigas.

Devemos aprender como nos relacionar na área física, não apenas na área do namoro. Paulo fala no verso 5, "não com o desejo de lascívia", para mostrar que essa é a maneira errada do homem iniciar seu casamento.

Os pagãos dos dias de Paulo conheciam deuses tão imorais quanto eles. Quando iam adorar no templo, mantinham relações sexuais com as prostitutas do templo. Quando Paulo fala, "e que nessa matéria" sobre o que está falando? Ele se refere ao nosso relacionamento físico e nos exorta a tomar cuidado pois podemos ofender e/ou defraudar nosso irmão. A palavra defraudar significa tirar vantagem sobre o outro. Há várias maneiras de se defraudar, mas Paulo está falando aqui de uma defraudação sexual. Defraudar, significa excitar, ou despertar desejos sexuais na outra pessoa, que não podem ser satisfeitos dentro da vontade de Deus, que é o casamento. A palavra defraudar, também significa utilizar como se fosse sua, a propriedade de outra pessoa.

Jovem, seu noivo(a), não é sua propriedade. Ele(a) pertence ao Senhor. Portanto, promiscuidade antes do casamento representa roubar do outro a sua virgindade, que deve ser levada para o casamento. Isso é defraudar. Você pode dizer: "Mas ela(e) vai ser minha esposa(o)!" Como você tem certeza? E, mesmo tendo certeza, Deus disse que é contra esse procedimento entre pessoas solteiras. Ele é o vingador.

Nós fomos chamados, não para a impureza, mas para novidade de vida. Vamos ser ainda mais práticos. Um jovem me pergunta: "Jaime, até onde posso chegar no meu relacionamento físico com minha garota?" Será que devo dizer: "Olha, você deve beijá-la três vezes no sábado, mas no domingo, que é dia do Senhor, uma só vez. Ou, você pode despedir-se dela com um abraço de onze segundos e um beijo no rosto?". Obviamente, tudo isso é bobagem. É tolice, porque cada jovem responde de uma maneira diferente às carícias dum homem ou mulher. Não podemos estabelecer uma série de regras. Deus nos dá claramente o princípio que nos limita no nosso relacionamento físico: não defraude. Na hora em que você começa a excitar desejos sexuais mesmo totalmente puros em si, você começa defraudar. Não estou dizendo: não se toquem. Para alguns, é só pegar na mão da menina ou rapaz, para outros, é poder beijar e abraçar na despedida. A regra é sempre não despertar os impulsos sexuais no noivo(a). "Mas, Jaime" você diz, "como vou saber se estou defraudando ou não?" Comunicação! Vocês têm que conversar sobre isso. Feliz a moça, ou o moço, que sabem dizer "não". Algumas garotas dizem que precisam se entregar um pouco para que o rapaz não pense que são frias. Isso não é verdade. Lembro-me de uma namorada que tive, chamada Eloísa. Uma noite, depois de sairmos juntos, levei-a para casa cerca de meia-noite. Seus pais ainda não tinham chegado, estava meio escuro na porta da casa e tentei abraçá-la. Ela imediatamente me empurrou e disse: "Jaime, II Timóteo 2:22!". Eu não sabia o que dizia II Timóteo 2:22, mas meu orgulho ficou muito ferido. Saí correndo, sem me despedir e fui para casa chateado. Fui direto para a Bíblia, ver o que aquela menina "super espiritual" quis dizer: "Foge das paixões da mocidade". Eu fiquei muito irritado e por duas semanas nem lhe telefonei. Mas, lá no fundo, no meu coração, senti respeito por ela, até um desejo de tê-la como esposa, porque sabia que Eloísa era uma moça de caráter e convicções firmes. Sim, é preciso coragem por parte dos dois, para dizer, "Querido(a), vamos parar por aqui, porque senão vamos nos defraudar".

Às vezes aparece alguém com desculpas como: ele tem alguns maus hábitos, ou, ninguém é perfeito. É verdade, ninguém é perfeito e por isso precisamos estabelecer limites na área de relacionamento físico, para não sermos atingidos por uma tentação forte demais. Mesmo que a sociedade ache esses padrões "quadrados", temos que lembrar que o importante é o que Deus pensa, e Ele já nos deu o seu padrão. Um olhar sensual, uma roupa, são maneiras de um jovem defraudar outro. Contatos físicos constantes e longos períodos de carícias, devem ser evitados. Quando a intimidade física se desenvolve antes da espiritual, forma-se uma nuvem de culpa entre o casal, e entre eles e o Senhor.

Muitos casais que aconselho, tem graves problemas no casamento porque não cuidaram de seu relacionamento físico, e agora há desconfiança, infidelidade, brigas, frustrações e sentimento de culpa. Se você deseja um casamento feliz, decida não defraudar seu(sua) noivo(a). Lá no altar, você poderá dizer-lhe: "Querido(a), com esta aliança estou me entregando totalmente a você". Espere no Senhor e você estará desenvolvendo um alicerce bem firme para seu casamento, um futuro lar harmonioso.


Por: Jaime Kemp - Antes de dizer Sim - Editora Mundo Cristão