Literatura Gospel



X

O Perdão é a manifestação da graça

E a quem perdoardes alguma coisa, também eu o perdoarei.

Mt 18.21,2

"Amar é assumir responsabilidade, é quebrar o lápis que contabiliza erros, é rasgar a ficha de contagem de pontos, é começar de novo. Agora".(David Augsburger)

Por que, em muitas famílias, constroem-se mais "paredes" que separam, do que "pontes" que ligam um coração ao outro? Por que alguns casais fazem festa para os outros, mas não há festa no relacionamento entre eles? Por que algumas pessoas moram bem, mas vivem mal? Por que, com freqüência, encontramos pessoas que não têm desejo ou prazer de retornar para casa? Por que, de repente, o silêncio passa a afastar os próximos, causar estranheza nos conhecidos e levantar suspeições? Por que, em muitas casas, com o passar do tempo, as reuniões, comuns entre os familiares, em torno de uma mesa, vão se acabando? A causa de tudo isso quase sempre passa pela falta de perdão.

O coração do pai do "filho pródigo" era, sobretudo, um coração "perdoador". Talvez esta seja a mensagem mais forte de toda a parábola - o perdão incondicional que foi liberado pelo pai, como manifestação da graça.

O apóstolo Paulo, em suas epístolas, também reconhece a importância do perdão incondicional para a manutenção da saúde do relacionamento da família e da Igreja de Cristo. Ele escreve: "Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo (Ef 4.32)".

Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros. Se alguém tiver queixa contra o outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também (Cl 3.13).

"Portanto, se o seu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. (Rm 12.20,21).

"E a quem perdoardes alguma coisa, também eu o perdoarei; porque, o que eu também perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo; para que não sejamos vencidos por Satanás..." (2 Co 2.10; grifo do autor).

Philip Yancey, em seu livro "Maravilhosa Graça", diz: "O perdão é a única alternativa que pode deter o ciclo da culpa e da dor, interrompendo a cadeia da ausência da graça".

É impossível conviver sem praticar a arte do perdão. Quando não se vive com esta consciência, as pessoas vão "desconstruindo" seus relacionamentos e acumulando sentimentos negativos no "porão da alma".

E.H. Chapin disse: "Nunca a alma humana surge tão forte e nobre como quando renuncia à vingança e ousa perdoar uma ofensa". O que significa perdoar?

(1)Perdoar é um ato irracional aos olhos do homem natural. Qualquer pessoa que tentar compreender o perdão, apenas sob a perspectiva humana, nunca irá encontrar motivos para perdoar. Errar é humano, perdoar é divino! A Bíblia diz: "... Lembrem-se que o Senhor os perdoou, portanto vocês devem perdoar os outros (Cl 3.13; A Bíblia Viva). O perdão deve ser compreendido sob a ótica divina.

(2)Perdoar é uma questão de obediência a uma ordem do Senhor (Mc 11.22; Ef 4.32; Lc 17.3-10). Disse Jesus: "E, quando estiverdes orando, perdoai..." Quando você libera perdão incondicional, é uma atitude de obediência ao Senhor. O resultado disso é cura, libertação e crescimento. Nada agrada mais o coração do nosso Senhor do que as nossas atitudes de obediência. Lembre-se, Deus sorri quando nos vê liberando perdão aos nossos ofensores. Isso significa vitória sobre o mal.

(3)O perdão não é uma emoção, mas uma decisão! É um ato de minha vontade, não de minhas emoções (Cl 3.13). Já ouvi alguém dizer: "Eu ainda não senti que devo perdoar". O perdão é uma decisão com base em princípios, e não no que se está sentindo. Você não pode ser dirigido pelos seus sentimentos, pelas suas emoções, mas sim por aquilo que está escrito na Palavra de Deus.

(4)Perdoar é tomar a decisão de não levantar mais a ofensa perante três pessoas: 1)Deus; 2 )os outros (inclusive o ofensor); e 3) a si próprio. Quem perdoa sepulta o que aconteceu para nunca mais desenterrar. É decidir não falar mais sobre o que aconteceu, pois o que já foi resolvido com o perdão não merece mais a nossa atenção.

(5)Perdoar é reconhecer que só Deus tem o direito de julgar. Na carta de Paulo aos romanos (Rm 12.19), está escrito: "Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor". É Deus quem pesa nossas causas em balança justa. A mim e a você cabe apenas perdoar.

(6)Perdoar é deixar prevalecer a graça, em vez da vingança. O sentimento de vingança faz da pessoa uma prisioneira do diabo, pois as Escrituras o descreve como um "... ladrão que veio para roubar, matar e destruir..." (Jo 10.10). O sentimento de vingança faz com que a pessoa transporte dentro de si a presença do ofensor lhe ofendendo, machucando e ferindo, todos os dias. O sentimento de vingança facilita a ação destruidora de Satanás na vida da pessoa que resiste em perdoar. O melhor caminho é o da graça, do perdão incondicional.

(7)Perdoar é manter abertos os canais por onde fluem a confiança e o amor incondicional. Nós crescemos no conceito das pessoas, construímos autoridade, ganhamos crédito quando liberamos perdão incondicional. O perdão é uma das demonstrações de humildade; e a Bíblia diz que "Deus abate os soberbos, mas dá graça, honra e exalta os humildes" (Tg 4.6). Perdoar não é demonstração de fraqueza, mas sim, de sabedoria.

(8)Perdoar é uma reação positiva para com a ofensa, ao invés de uma reação negativa para com o ofensor. Pessoas que sabem perdoar são pessoas que pensam positivamente, mesmo que as circunstâncias sejam negativas, desfavoráveis e contrárias a elas. Os pessimistas, negativos, os que cultivam pensamentos medíocres sempre terão dificuldade para perdoar porque não conseguem enxergar o que os otimistas enxergam. Quando você consegue enxergar o lado positivo, até nas tragédias e nos acidentes de percurso da vida, o perdão flui com naturalidade. Perdoar é pensar e reagir positivamente. Foi assim que Estêvão reagiu diante das pedradas: "E apedrejaram a Estêvão que, em invocação, dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu(morreu)" (At 7.59,60).

(9)Perdoar é zerar as contas do passado (Jo 19.30). Quando o perdão é liberado incondicionalmente, estamos dizendo para o ofensor: "Você não me deve mais nada, a conta foi rasgada". Conversando com uma senhora, ela me disse que ouviu da pessoa para a qual ela havia liberado perdão: "Você sabia que perdoar é voltar a ser como era antes? É viver em comunhão como se nunca aquilo tivesse acontecido?" Foi exatamente o que aconteceu na Parábola do Filho Pródigo: tudo voltou a ser como era antes. Eu creio no poder restaurador do perdão liberado graciosamente.

(10)Perdoar é repetir, com o próximo, o gesto de Deus para conosco. Quem foi por Deus perdoado deve perdoar sempre que for necessário. Não existe outra saída, esta é a única porta que a Bíblia nos apresenta. Se você foi perdoado, deve perdoar quem precisa do seu perdão. O apóstolo Paulo escreveu: "... perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo" (Ef 4.32). Os filhos devem refletir, em suas atitudes e comportamento, os traços do caráter do seu pai. Se você é filho(a) de Deus, deve agir como o seu Pai age.

(11)Perdoar é oferecer amor quando não há motivo para amar. Que motivo o Senhor tinha para nos amar? Diz as Escrituras: "Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro" (1 Jo 1.19). Todo perdão liberado é demonstração de amor incondicional. Ninguém pode afirmar que ama quando não há disposição, voluntariedade, vontade para perdoar. Perdoar é amar sacrificialmente, como Cristo nos amou.

(12)Perdoar é dizer "não" ao ressentimento. Ressentimento significa sentir de novo, é como tirar com a unha a casca de uma ferida que já estava em processo de cicatrização. Quando não há uma atitude "perdoadora", a ferida nunca cicatriza, a pessoa vive com a dor. Perdoar é vencer a tentação de "tirar a casca da ferida" em processo de cura e cicatrização.

(13)Perdoar é reconstruir o que foi destruído. Foi com essa missão que Jesus veio como enviado do Pai para reconstruir o que tinha sido destruído com a queda: a desobediência do homem no Jardim do Éden. Não há reconstrução se não houver a manifestação da graça através do perdão. O mais interessado em que isso não aconteça é aquele que levou o homem a destruir sua comunhão com Deus no Jardim do Éden, o diabo. Por detrás de toda resistência ao perdão, está ele, nosso adversário. Não perdoar é fazer a opção pela destruição, e não pela reconstrução. Quem perdoa sempre reconstrói.

(14)Perdoar é fechar a porta do coração para a amargura. O escritor da carta aos hebreus diz: "Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem" (Hb 12.15; grifo do autor). Toda raiz de amargura causa perturbação no coração de quem sente e contamina as pessoas próximas deste. Quem muito perdoa vive com suavidade, leveza, alegria, prazer e muita doçura na alma.

(15)Perdoar é um indicador de nossa compreensão do amor de Deus por nós. "Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também" (Cl 3.13b). Uma das evidências de que você compreendeu o amor de Deus está na sua disposição em perdoar sempre.

(16)Perdoar é semear misericórdia (Gl 6.7). A lei da semeadura é infalível. Em um painel de propaganda de venda de sementes, a empresa responsável escreveu: "Se você não gosta do que está colhendo, olhe para trás e veja o que foi plantado". Essa frase sintetiza tudo o que se pode dizer sobre o cuidado que cada deve ter com o tipo de semente que lança no solo do coração da família. Foi Jesus quem disse: "Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;" (Mt 5.7). O perdão é uma semente de misericórdia que todos podem lançar no solo do coração da família.

(17)Perdoar é reconhecer que todos nós estamos sujeitos a tropeços e quedas. Quando trouxeram a Jesus uma mulher que tinha sido pega cometendo adultério, disseram a Ele: "Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Eles diziam isto, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra" (Jo 8.6). Jesus, com uma única resposta, desarma aqueles homens impiedosos e faz com que eles compreendam o que significa perdoar: "Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela" (Jo 8.7b). Jesus estava como que perguntando: Nenhum de vocês comete pecado? Nenhum de vocês algum dia foi perdoado? E eles entenderam a mensagem! "Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio" (Jo 8.9). O interessante é que Jesus era o único que não tinha pecado e poderia apedrejar, porém a graça venceu a lei, e Ele perdoou a mulher: "E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais" (Jo 8.10-11). Quem perdoa reconhece que também erra e que precisa ser perdoado.

(18)Perdoar é praticar a generosidade. Observe que a palavra perdoar termina com "doar". Quando você perdoa está generosamente doando compreensão, amor, respeito, misericórdia e assumindo a dor da ofensa. A Bíblia diz que o generoso será abençoado (Pv 11.25). Lembre-se, aquele que perdoa é abençoado por causa da sua atitude generosa.

(19)Perdoar é deixar livre, soltar, libertar, despedir, mandar embora, atribuir um favor incondicional àquele que feriu. Jesus contou uma parábola para ensinar essa definição de perdão: "E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Então o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida" (Mt 18.25-27; grifo do autor).

(20)O perdão de Deus é o padrão para o perdão humano. Qualquer pessoa que deseja crescer na prática do perdão incondicional precisa conhecer, através das Escrituras, como é o perdão de Deus. É a partir dessa compreensão que nossas atitudes se tornam parecidas com a do nosso Senhor. Um dia, após lavar os pés dos discípulos, inclusive o de Judas, o traidor, Jesus disse: "Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" (Jo 13.15). Esta é a vontade do Senhor: que as nossas atitudes sejam semelhantes às Dele. Vejamos alguns textos na Bíblia que nos ajudam a entender como é o perdão de Deus para conosco: "Ele, porém, que é misericordioso, perdoou a sua iniquidade; e não os destruiu, antes, muitas vezes, desviou deles o seu furor, e não despertou toda a sua ira" (Sl 78.38).

"Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro" (Is 43.25).

"Apaguei as tuas transgressões como a névoa, e os teus pecados como a nuvem; torna-te para mim, porque eu te remi" (Is 44.22).

"Quem é Deus semelhante a ti, que perdoa a iniqüidade, e que passa por cima da rebelião do restante da sua herança? Ele não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na sua benignidade" (Mq 7.18).

"Perdoaste a iniqüidade do teu povo; cobriste todos os seus pecados" (Sela - Sl 85.2).

"E Jesus, vendo a fé deles, disse ao paralítico: Filho, perdoados estão os teus pecados" (Mc 2.5).

"E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas..." (Cl 2.13).

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça" (1 Jo 1.9).

(21)Perdoar é desativar o sistema de violência que existe dentro e fora de nós. Qual é o pai que, ao se preparar para disciplinar com firmeza o filho que errou, não se rende diante do rostinho meigo, dos olhos lacrimejando e de um pedido de perdão com a voz embargada? Por mais irritada e nervosa que a pessoa esteja diante de um erro cometido, um pedido de perdão pode desativar o mecanismo de violência. Foi no perdão que Jesus encontrou força para vencer o sistema de violência que o cercava. Ninguém soube perdoar como Jesus, ele era o Mestre na arte de perdoar. Até mesmo na hora mais angustiante na Cruz, Ele disse: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes" (Lc 23.34). Onde o perdão é liberado, a violência não floresce. Lembre-se: onde há violência, é porque a graça para perdoar não floresceu.


Por Josué Gonçalves - Familiaegraca.com.br